• by Brunelson

Soundgarden: "posso ouvir a sua voz toda vez que ouço uma de nossas músicas"


Confira matéria e entrevista que o guitarrista do SOUNDGARDEN, Kim Thayil, concedeu recentemente ao site American Songwriter.


Segue:


Quando Kim Thayil era jovem - antes de se tornar guitarrista e membro fundador da famosa banda de rock ‘n’ roll chamada SOUNDGARDEN - ele pensou que poderia ser um cientista como o seu pai. Ou talvez ele crescesse e se tornasse um jogador de baseball. Mais tarde, ele quis ser um escritor de quadrinhos ou de ficção científica.

Embora a música tenha um impacto profundo sobre ele, nem sempre foi a prioridade profissional. Quando criança, Thayil ria ou chorava espontaneamente durante as execuções das músicas que tocavam na rádio, deixando os seus pais perplexos. Mas foi só quando ficou mais velho que começou a se preocupar em fazer música com ambição.

No playground, Thayil tinha um talento especial para rimas. Tornou-se meio que um esporte entre ele e seus amigos, mudando as falas em temas de televisão ou canções populares. Curioso, embora com desempenho um tanto insatisfatório, Thayil ganhou a sua primeira guitarra aos 15 anos de idade. Ele tinha fantasias de ser famoso como os BEATLES, embora não levasse muito a sério.

Mas a vida funciona de maneiras misteriosas...

Cerca de 01 década depois, Thayil se encontraria em Seattle para co-fundar uma das bandas mais importantes do século XX.

“A nossa química criativa foi instantânea”, disse Thayil. “Nós apenas clicamos logo no primeiro dia em que tocamos juntos, compomos 02 músicas e realmente gostamos das canções que criamos e as gravamos. No segundo dia, criamos mais 03 músicas. Foi tão fácil e estávamos rindo, tontos com a facilidade com que era e pensamos: ‘Isso é ridículo!’ Então, continuamos”.

SOUNDGARDEN foi a primeira das bandas grunge que assinou um contrato com uma grande gravadora. O grupo, liderado pelo versátil vocalista, Chris Cornell, abriu o caminho de várias maneiras para bandas do rock ‘n’ roll moderno, mas infelizmente, décadas depois, em 18 de maio de 2017, Cornell veio a falecer após mais de 30 anos da formação do grupo.

Thayil levou anos para processar o falecimento do seu amigo e é claro, isso ainda o afeta bastante até hoje.

“Salvei mensagens de texto entre Chris e eu, e-mails e mensagens de voz”, disse Thayil. “E claro, temos o nosso corpo de trabalho... Eu posso ouvir a sua voz toda vez que ouço uma de nossas músicas, o que foi muito difícil de fazer no resto de 2017 e em 2018, e provavelmente em 2019 também... Foi simplesmente difícil”. Aqui, Thayil se refere ao SOUNDGARDEN que estava gravando o 7º álbum de estúdio com lançamento para final de 2017, o qual conta com gravações de músicas inéditas e inacabadas.

Desde então, um barman bem-intencionado reconhecia Thayil num bar em Seattle e colocava para tocar a música "Fell on Black Days" ou "Black Hole Sun". Isso só tornou o luto mais difícil, mas também existem aspectos positivos para os quais Thayil deve olhar: boas memórias e histórias re-investigadas.

Por exemplo, este ano marca o 30º aniversário do 3º álbum de estúdio do SOUNDGARDEN, "Badmotorfinger" (1991). O disco continua sendo um dos mais significativos da banda e há cinco anos atrás, Thayil já tinha revisitado a obra em seu 25º aniversário.

Na época, Cornell ainda estava vivo, mas agora, o disco traz consigo novos significados para Thayil, um músico de 60 anos de idade.

“Isso muda algumas das perspectivas”, falou Thayil. “Tanto da nostalgia quanto do sentimento. É uma experiência divertida reviver essas músicas e ouvir coisas que esqueci. E para entender as canções independentemente do trabalho que as envolveram”.

Hoje, SOUNDGARDEN está no meio de um processo judicial contra a viúva de Cornell, relativo ao status e propriedade de certas gravações de Chris Cornell. Como resultado, Thayil não pode conversar a respeito de qualquer material do SOUNDGARDEN ainda não lançado e que possa um dia se tornar público.

Mas isso não o impede de relembrar os dias em que tocava no grupo, fazendo música e forjando novos futuros, enquanto voava pelo mundo com as suas calças sujas.

Thayil, que nasceu em Seattle, mudou-se com sua família para Chicago quando era criança. Seu pai era cientista e sua mãe professora de música. Pouco depois do seu aniversário de 21 anos, porém, Thayil decidiu voltar para Seattle com o amigo e baixista Hiro Yamamoto, que iriam fundar o SOUNDGARDEN com Chris Cornell. Eles também tinham alguns amigos na região, incluindo o futuro co-fundador da Sub Pop Records, Bruce Pavitt.

“Havia música legal acontecendo em Seattle”, relembrou Thayil. “E parecia haver apoio por meio da imprensa escrita, fanzines e rádio”.

O resto logo foi história da música...

SOUNDGARDEN ganhou Grammys, vendeu milhões de discos e mesmo após a morte de Chris Cornell, a banda continua sendo um marco cultural importante. Apesar da pegada gigante do SOUNDGARDEN, Thayil, que foi nomeado um dos 100 maiores guitarristas de todos os tempos pela revista Rolling Stone, manteve outros projetos musicais e relacionamentos ao longo dos anos.

Em 2018, ele viajou com o fundador do MC5, Wayne Kramer, para a celebração dos 50 anos de banda. Recentemente, ele experimentou música ambiente e canções rítmicas pesadas e percussivas. Ele ajudou artistas locais de Seattle, como Shaina Shepherd, a se levantar. Existem muitas vertentes musicais que constituem a criatividade de Thayil, mas o fato de que todas elas podem se entrelaçar em um único pedaço de DNA, é o que tornou significativo o seu trabalho.

“A música toca de muitas maneiras diferentes”, concluiu Thayil. “Um com o outro e com cada um de nós individualmente. Existem tantos elementos diferentes para desfrutar e é quase mais fácil falar sobre o que eu não gosto na música do que sobre tudo o que eu faço”.

Confira a performance do SOUNDGARDEN em 2013, da canção "Fell on Black Days" (4º disco, "Superunknown", 1994):


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques