• by Brunelson

Smashing Pumpkins: "o futuro da banda é um alvo móvel"


Confira a entrevista que Billy Corgan e Jimmy Chamberlin, ambos do SMASHING PUMPKINS, concederam ao jornal The Washington Post.


Billy Corgan não quer reviver o passado do SMASHING PUMPKINS, mas ele está feliz em desenvolver isso.

Em algum momento durante a turnê de reunião do SMASHING PUMPKINS em 2018, o frontman Billy Corgan teve uma epifania. Ele percebeu que a sua banda estava tocando em arenas lotadas em grande parte porque eles estavam fazendo o que ele jurou que nunca mais faria: se reunir pela primeira vez em quase 02 décadas com os membros originais - baterista Jimmy Chamberlin e guitarrista James Iha - e o mais importante, estar tocando novamente os grandes sucessos.

Naquela época, Corgan havia dito em entrevista: “Se alguém quiser dizer essas coisas em voz alta (a volta da formação original), você chega a um ponto onde o caminho é muito mais fácil apenas para se tornar uma banda de antigos. É como escolher o caminho da menor resistência”.

Mas o cantor notoriamente heterodoxo e frequentemente desagradável percebeu que precisava de um plano diferente. Ele queria, ou melhor, precisava que a sua banda olhasse para o futuro. Eles fariam novos álbuns expansivos e com grande amplitude, como alguns dos seus trabalhos mais famosos dos anos 90.

“Então, sim”, ele diz agora, “eu consigo ser a madeira na lama que se levanta e diz: ‘Não! Este não é apenas o caminho errado pra mim, é a leitura errada. O que as pessoas realmente querem de nós é que sejamos ótimos’”.

E agora, nessa busca pela grandeza - mais de 03 décadas depois de estourar na cena do rock alternativo e prosseguir para marcar 04 álbuns de platina consecutivos na década de 90, incluindo dois clássicos unânimes na história do rock, os álbuns “Siamese Dream” (2º disco, 1993) e o álbum duplo "Mellon Collie and The Infinite Sadness" (3º disco, 1995) - SMASHING PUMPKINS é uma das poucas bandas de sua época a permanecer na conversa e que ainda estão lançando músicas novas.

O último álbum lançado (também duplo), “Cyr” (10º disco, 2020), é uma viagem arrebatadora de 20 canções cheio de sintetizadores, letras excêntricas e lançado em conjunto com uma série animada de cinco partes intitulada “In Ashes”.

O baterista Jimmy Chamberlin diz que tudo que a banda faz, na maior parte, é um esforço de grupo democrático. Ou melhor, funciona como uma espécie de "cooperativa".

Naturalmente, Corgan vê de forma diferente.


Para onde o grupo está indo, bem, "cabe a mim definir isso por meio da composição, eu acho", ele oferece. “Se eu puder escrever um certo nível de música e tiver algum tipo de visão de onde precisamos ir, então, todos na banda embarcam na ideia e fazemos um bom trabalho. Se eu não tiver essa visão ou não estiver claro em meu pensamento, ninguém mais na sala vai fazer isso porque eu não acho que ninguém mais na sala realmente entende o que estou tentando obter depois, que seja..."

“Eu salto com os dois pés numa ideia e se eles seguirem, ótimo. Se não o fizerem, isso é problema deles”, continua Corgan, rindo. “Na gravação do álbum 'Cyr', todos na banda estavam felizes e tudo estava indo bem, então, não houve problema. Eu também não fico parado numa situação e peço permissão a eles para mudar algo”.

Corgan, de 53 anos, seguiu um caminho diferente do que o resto dos seus colegas ativos dos anos 90. Durante grande parte dos anos 2000, ele continuou lançando novas canções sob o nome de SMASHING PUMPKINS, embora com várias formações.

Muito desse material foi recebido com uma resposta morna e às vezes totalmente brutal, levando novamente a um relacionamento áspero com a imprensa que às vezes pode se tornar antagônico.

Sendo entrevistado online de sua casa em Chicago, Billy Corgan falou do seu estúdio caseiro e que se tornou um lugar de consolo para ele nesta pandemia. Corgan treina regularmente de 10 à 11 horas por dia quando está compondo e cerca de 08 horas quando está no "modo de estúdio". A quarentena, segundo Corgan, foi um período bastante prolífico para si.


Atualmente, ele diz que percebeu, assim como uma infância difícil que teve passando grande parte do tempo dentro de casa, que ainda prospera quando está dentro da sua casa e o mundo ao redor se agita.

"Vindo da infância, percebi que a minha criatividade nasceu de bloquear o que estava do lado de fora e ir para dentro", diz ele. "E muitas vezes, quando as coisas estão ruins do lado de fora, é quando é mais fácil pra mim".

Para tanto, só neste ano ele já compôs e colocou em movimento 46 músicas, todas em vários estágios de finalização.


33 delas estão programadas para uma continuação da trilogia que se iniciou no álbum "Mellon Collie and The Infinite Sadness" e seguiu para o álbum "Machina The Machines of God" (5º disco, 2000).

SMASHING PUMPKINS planeja lançar este álbum final da trilogia em algum momento no ano de 2021, assim como a turnê (se tal for possível) e o relançamento do disco “Machina The Machines of God” para comemorar os 20 anos de vida (prorrogado devido a pandemia).

Quando questionado por que ele escolheu revisitar o material do álbum "Mellon Collie and The Infinite Sadness" agora e especialmente o que o estimulou a criar novas músicas sob esta bandeira, Corgan disse que está diretamente ligado à estabilidade atual da banda, que também inclui o guitarrista de longa data, Jeff Schroeder (no grupo desde 2007, quando retornaram do seu hiato), e como ele reflete a dinâmica da banda na gravação dos álbuns subsequentes até hoje.

Corgan diz que o álbum que produziu algumas das canções mais queridas da banda - da angústia uivante das músicas "Bullet With Butterfly Wings", à orquestral "Tonight, Tonight" e a melancólica obra-prima "1979" - "foi um momento divisor de águas. Foi uma convergência de todo um conjunto de influências, sentimentos, a hora certa e o lugar certo. Você tem que ser a banda certa no lugar certo para fazer um disco como esse. Não é algo que você pode simplesmente apertar um botão e isso acontece. Havia estabilidade na banda, tínhamos um grande produtor e muitas coisas se juntaram”, afirma Corgan sobre este clássico 3º álbum da banda de 1995.

E da mesma forma, o vocalista disse que agora parece “um momento de união” para o SMASHING PUMPKINS. “A banda é boa, eu me sinto no ponto e estamos certos de outra apoteose. O que faz sentido, pois estou junto com James Iha desde 2016, onde voltamos a nos falar e abordamos uma linguagem e equilíbrio de personalidades que estão aí para produzir outra grande obra. Em minha mente, era como: ‘Bom, esta é provavelmente a última oportunidade que terei. Se eu vou fazer isso, agora é a hora'”.

Na verdade, Corgan disse que nunca teria considerado fazer esta sequência da etapa final da trilogia, se os seus companheiros de banda originais não estivessem de volta ao grupo: “Em parte, porque acho que não teria as peças em jogo para o que preciso e em parte porque não iria gostar de ouvir como ficaria sem eles”, admite Corgan. “Porque você e eu sabemos que eu poderia fazer exatamente o mesmo álbum e dependendo de quem estará no disco ou não, seria visto de várias maneiras diferentes. É apenas a realidade sobre isso, tipo, é como se fizessem um novo filme para o 'Tira da Pesada' sem o ator Eddie Murphy ou algo assim, você me entende? Você acaba entrando nesse tipo de discussão e eu me cansei disso durante os anos”.

É uma coisa nova ouvir Corgan evitando vibrações relativamente boas sobre a dinâmica interpessoal de sua banda.

Quando a formação original se separou oficialmente em 2000, a queda de sua posição no topo do mundo do rock foi rápida.

A baixista D'arcy Wretzky saiu durante a gravação do álbum “Machina The Machines of God”; Jimmy Chamberlin, viciado em heroína, entrava e saía da fila; Billy Corgan e James Iha mal se falavam.

Só lembrando que a baixista D'arcy não retornou ao grupo.


* Smashing Pumpkins: baterista e vocalista questionados sobre as brigas do passado

Corgan disse também que passou a ver o álbum "Mellon Collie and The Infinite Sadness" como o fim definitivo da banda, apesar de eles terem ficado juntos para a música gótica/eletrônica no álbum "Adore" (4º disco, 1998) e depois na gravação do álbum "Machina The Machines of God".

“As pessoas ficam com raiva de mim e muito estranhas porque sou um cara muito honesto”, diz ele. “Mas aquele foi o fim daquela banda... Você tem esta bela subida através do álbum ‘Siamese Dream' e então, você atinge o topo da montanha com o disco ‘Mellon Collie and The Infinite Sadness’ e a coisa toda explode. É a quebra do cristal..."

"Foi tudo o que aconteceu desde então - eu tocando solo, Jimmy tocando jazz com outras pessoas - é tudo de alguma forma o resultado da quebra daquele cristal. Eu tenho memórias de estar no palco e fazer shows com ingressos esgotados e tudo foi emocionante, mas a próxima coisa que eu sei é que a banda estava se fragmentando em 500 partes”.

Se você deixar Corgan falando, certamente sentirá um cheiro não tão sutil de ressentimento persistente. Não com os seus companheiros de banda, pelo menos uma vez na vida, mas com um público que nunca soube realmente o que fazer com ele: “Se você me perguntar, estou orgulhoso de ter feito um dos álbuns mais importantes da minha geração e indiscutivelmente um dos álbuns mais importantes da história do rock”, diz ele com ousadia sobre o disco “Mellon Collie and The Infinite Sadness”. Corgan continuou: “Mas se você falar com um bando de 'descolados', este álbum não existe para eles”.

Esse tipo de reclamação - seja real ou imaginária - há muito definiu o comportamento de Corgan, mas agora ele diz que tudo o que o preocupa é olhar para frente: “Somos uma boa banda”, diz ele sem rodeios. “Somos capazes de ser bons assassinos do pop quando estamos focados, então, vamos fazer uma boa música e ver o que acontece. O tempo de se magoar com isso já passou, sabe? É meio irrelevante para a equação e realmente não importa”.

E quanto ao futuro do SMASHING PUMPKINS?


Jimmy Chamberlin, que não quis falar muito nesta entrevista, lhe dirá que não vê um fim à vista: “Sempre achei que aposentadoria é para pessoas que odeiam o trabalho”, diz o baterista. “Eu não sinto que estou perto do fim dessa coisa e simplesmente não vejo isso acontecendo”.

E Billy Corgan? Bom, ele é um pouco mais circunspecto sobre o assunto. O futuro da sua banda, diz ele, “é um alvo móvel. Porque infelizmente não temos muitos dados sobre bandas que estão na casa dos 50 anos produzindo trabalhos de alto nível. Isso é reservado para um grupo muito pequeno de pessoas que decifraram esse código e a maioria deles já estão no Rock and Roll Hall of Fame”.

Sabemos que o SMASHING PUMPKINS já é elegível desde 2016 ao Hall of Fame, mas nunca sequer foi escalado para pelo menos concorrer a eleição...


Ele compara o futuro duvidoso da banda a um fusível aceso numa bomba: “Em que ponto aquele fusível irá queimar e as pessoas irão parar de nos ouvir?” Ele pensa. "Eu não sei... Eu gostaria de pensar que isso nunca irá acontecer, mas você fica ciente do fato de que talvez, apenas pela maneira como a cultura funciona, as pessoas 'presumam' que você está sem gás e assim fica cada vez mais difícil provar um ponto que você já provou 25 anos atrás”.

Ele faz uma pausa e Corgan, que há muito tempo amava criticar os jornalistas e qualquer estrela do rock que lhe apontasse o dedo, retorna brevemente, mesmo que apenas por um momento, para finalizar a sua entrevista: "Eu fiz alguns discos realmente importantes pelos quais não recebi crédito", disse ele. “E por muito tempo tornou-se mais uma narrativa de fracasso, insanidade e estupidez. Então, em algum ponto, você pensa: ‘Não há como ganhar’. Porém, você ainda pode ganhar, mas em seus próprios termos”.


Confira os videoclipes das músicas "The Colour of Love", "Confessions of a Dopamine Addict", "Anno Satana" e "Wyttch", todas lançadas no novo álbum de estúdio do SMASHING PUMPKINS, "Cyr":


"The Colour of Love"


"Confessions of a Dopamine Addict"


"Anno Satana"


"Wyttch"


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead