• by Brunelson

Dave Grohl: falando sobre as músicas "Shame Shame" e "Waiting on a War" do Foo Fighters


O tempo voa!

É difícil acreditar que já se passaram 25 anos desde que o FOO FIGHTERS lançou o seu álbum homônimo de estreia no verão americano de 1995.


Agora, em homenagem a este aniversário marcante, os lendários roqueiros estão lançando um novo álbum em fevereiro de 2021, "Medicine at Midnight" (10º disco) - após 01 ano do planejado devido à pandemia.

Em entrevista para a OK Magazine, o frontman da banda, Dave Grohl, falou sobre a nova direção que o grupo está tomando neste vindouro álbum, como eles estão flexionando os seus "músculos criativos" para se conectar aos novos e velhos fãs e a alegria de fazer música em plena pandemia.


* Foo Fighters: "queria que Lemmy Kilmister estivesse vivo para ouvir a música 'No Son of Mine'"

Confira alguns trechos dessa entrevista:

Jornalista: Deve ser estranho estar comemorando o 25º aniversário da banda agora...

Dave Grohl: Sim, começamos a planejar para 2020 há mais de 01 ano e meio atrás. Sabíamos que começaríamos a gravar um novo disco e sairíamos em turnê, mas chegando em março, tudo parou. De certa forma, foi bom para nós, porque não parávamos de trabalhar há 10 anos, sabe? Esta é realmente a primeira vez que nos acomodamos e voltamos para casa para ficar um bom tempo. Tivemos que descobrir como fazer isso e decidimos que o mais importante é que as pessoas possam ouvir a nossa música e todos os outros planos divertidos podem esperar.

Jornalista: O álbum "Medicine at Midnight" é o disco mais dançante que vocês já fizeram?

Grohl: Percebi que já gravamos álbuns com coisas acústicas e outros mais barulhentos, mas nunca realmente gravamos um disco de festa. Eu pensei: "Ok, em vez de apenas me retirar para o pôr do sol com um álbum acústico agradável e sonolento", eu falei: "Foda-se! Vamos fazer algo que as pessoas realmente gostem".

Jornalista: Também possui conotações políticas...

Grohl: Quando voltamos a nos reunir e começamos a ensaiar as músicas novamente, meio que nos apaixonamos por elas de novo, quero dizer, as letras foram escritas em outubro e novembro de 2019, muito antes da pandemia ou do clima político atual, mas elas ainda se aplicam hoje e talvez muito mais.

Jornalista: Brian Johnson, do AC/DC, disse recentemente que, se você se candidatar à presidência, terá o voto dele. O que você acha?

Grohl: (risos) Esse é um trabalho que eu nunca desejaria, quero dizer, trabalhei em pizzarias, lojas de discos e bandas de rock, mas eu não quero ser presidente.

Jornalista: Você também tem se ocupado bastante fazendo os seus documentários.

Grohl: Finalmente terminei de gravar o documentário "What Drives Us", sobre bandas em turnê em vans no começo de carreira. Entrevistei músicos do METALLICA e vários outros, onde todos começaram no mesmo lugar. O documentário acabou sendo sobre a inspiração e por que as pessoas "jogam as suas vidas fora" e pulam em uma van velha de merda para ir compartilhar as suas músicas com o mundo.

Jornalista: Falando nisso, quais são os planos até vocês pegarem a estrada de novo?

Grohl: Quando nos apresentamos pela 1ª vez nesta pandemia, foi no clube Troubadour em Los Angeles e não tinha ninguém lá, apenas a nossa equipe de trabalho e me lembro de ter pensado: “Nossa, isso vai parecer meio vazio, oco e estranho”, mas foi tão bom estar com a banda, um microfone e tocar com os nossos instrumentos novamente, sabe? Desde então, viemos fazendo algumas apresentações do tipo.


* Foo Fighters: confira recente apresentação da canção "Learn to Fly"


* Foo Fighters: vídeo com apresentação completa no clube Troubadour

Dave Grohl ainda falou sobre algumas canções do álbum "Medicine at Midnight".

Grohl: Sobre a música "Waiting on a War" se trata de quando eu era jovem. Nos anos 70 e 80, tinha pavor de morrer numa guerra nuclear com a União Soviética (Guerra Fria). Então, em 2019, as coisas estavam ficando tensas com a Coréia do Norte e um dia a minha filha de 11 anos de idade, Harper, me disse: "Pai, vamos para a guerra?" Isso me lembrou de como eu me sentia quando tinha a idade dela...

Grohl: A canção "Shame Shame" começou apenas com a batida da bateria, mas então descobri esse ritmo estranho de bater palmas e estalar de dedos (versão de estúdio). Com guitarra, baixo, teclado e um vocal, são apenas quatro elementos muito simples e ainda é reconhecível como algo que o FOO FIGHTERS faria, mas tem esses ritmos e andamentos que você nunca ouviu a banda fazer antes.


Confira as performances do FOO FIGHTERS apresentando cada música citada acima:


"Shame Shame"


"Waiting on a War"


  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead