• by Brunelson

Pearl Jam: confira entrevista completa com o produtor do disco "Gigaton"


"Eles não precisam de alguém sentado lá no estúdio lhes dizendo: 'Acho melhor tocar tal nota nesta parte da música'", disse Josh Evans em recente entrevista para a revista Spin.


Para Evans, produtor do novo álbum do PEARL JAM, "Gigaton" (11º disco, 2020), foi a culminação de uma longa corrida com a banda.


Começando como assistente de estúdio em busca de café em 2004, Evans está no PEARL JAM há mais da metade de sua carreira. Assim, à medida que sua posição cresceu dentro das fileiras da banda, eles confiaram a ele para supervisionar a construção de um estúdio personalizado em sua sede em Seattle, que estava operacional no início de 2017.


Embora o PEARL JAM estivesse trabalhando em novo material desde o lançamento do álbum "Lightning Bolt" (10º disco, 2013), no qual Evans era técnico de guitarra do grupo e em turnês subsequentes, o momento da abertura do estúdio estava marcado para quando o PEARL JAM estivesse pronto para gravar o novo álbum.


Evans estava ocupado fazendo o cabeamento e acabamentos finais garantindo que o estúdio estivesse armado e totalmente operacional até as 02:00hs da madrugada da noite anterior ao início das sessões. Ele e John Burton, que criaram o estúdio, ajudaram a projetar o espaço e a construí-lo do zero, com a sua intimidade com o espaço permitindo que a dupla ajudasse a banda a inaugurar essa nova era.


Evans pensou que ele estaria junto com a banda para somente fazer as demos para o álbum e depois que as coisas ficaram sérias, ele ficou aguardando quem o grupo iria trazer para produzir o disco, mas isso nunca aconteceu.


Antes que ele percebesse, PEARL JAM estava se inclinando sobre ele para obter opiniões sobre as demos e não o "expulsou" para outra pessoa entrar, assumindo assim a função de co-produtor da banda.


“Sentado na cadeira enquanto Eddie Vedder fazia os vocais, tipo, os caras estavam gravando mesmo já em 2017, o que foi muito agradável”, disse Evans. “Eu estava apenas apertando os botões e gravando um disco que cresceu organicamente".


"Eu sabia que eles gostavam e confiavam em mim como pessoa", diz ele. “Mas para colaborar mais com eles, ainda mais uma banda que já gravaram uma tonelada de discos, eles não precisam de alguém sentado lá no estúdio lhes dizendo: 'Toquem a nota tal nesta parte da música' ou 'Vamos fazer melhor aqui nesta parte, rapazes!' Ou 'Você consegue uma tomada melhor neste vocal, Eddie?'”


"Eles sabem o que querem e sabem o que estão fazendo. Definitivamente, eles ajudam a moldar o som, as músicas e manter todo mundo animado durante esse longo processo para reunir as idéias de todos - como se alguém tivesse algo fora do comum e conseguisse algo do qual todo mundo estivesse animado da mesma maneira, sabe?”


"Para garantir que o disco 'Gigaton' se tornasse o objetivo da banda, demorou um pouco para chegar lá. Foram lançadas idéias, mas nada precioso no sentido de que uma orientação colaborativa e construtiva ajudou a trazer o melhor de qualquer música. Permitiu um ambiente de baixo conflito e baixa tensão. O sequenciamento das músicas também tinha um nível íntimo de compreensão de como enfatizar o som de cada canção".


"Por exemplo, gosto da liderança que a música 'Superblood Wolfmoon' assume e passa o bastão para a canção 'Dance of The Clairvoyants', para sair em um contraste frio e pesado para a musica 'Quick Escape' e logo caindo na silenciosa canção 'Alright'".


Evans disse que é tanto sobre o processo quanto sobre o produto final que permite que algo tenha sucesso ou seja algo do qual a banda se orgulhe.


Tendo aprendido com o produtor de longa data do PEARL JAM, Brendan O’Brien - especialmente durante a preparação do álbum "Backspacer" (9º disco, 2009), Evans já tinha uma idéia do que funcionava para eles no estúdio.


"Esses caras não se propuseram a criar um álbum conceitual ou um álbum sobre mudanças climáticas", ele explica. “Esses caras queriam trabalhar de um jeito um pouco diferente. Eles se reuniam com todos os 05 juntos e criavam algo, mas alguém poderia entrar no dia seguinte e reorganizar a parte de outra pessoa ou mudar a música. Foi declarado explicitamente entre a banda que qualquer coisa poderia ser desfeita. Talvez o guitarrista Stone Gossard possa ter mudado 10 coisas em uma música do outro guitarrista Mike McCready e no dia seguinte, Mike falava: 'Eu não gostei de 09 coisas que você mudou, mas essa outra aqui é uma coisa muito legal e vamos mante-la assim'. Não há muito ego neles, sabe?"


Embora 12 músicas finalmente foram incluídas no disco "Gigaton", houve muitas outras criadas em diferentes estágios que não foram concluídas durante as sessões, mas no final, Evans disse que o álbum revelou como foi o resultado.


Ele finalizou: "Foi um processo super divertido para eu fazer parte. O baixista Jeff Ament me disse que estava tão empolgado com isso quanto qualquer coisa que ele fez em 20 anos, o que foi incrível para mim, sabe? Eu ficaria empolgado com qualquer resultado, mas como produtor, mixando e finalizando o disco, tipo, no final do dia eu sou muito grato a esses caras por confiarem em mim”.


Confira as canções que foram os singles do álbum "Gigaton":

"Superblood Wolfmoon"

"Dance of The Clairvoyants"

"Quick Escape"

"Retrograde"

  • Facebook Social Icon
Mais Recentes
Destaques

2016 by RockInTheHead